CARACTERIZAÇÃO ISOTÓPICA E QUALIDADE DAS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS NO MUNICÍPIO DE SERRA DO RAMALHO, BAHIA (BRASIL)

  • Manuel Portugal Gonçalves
  • Rodrigo Alves Santos Pesquisador do Grupo Geoquímica das Interfaces, Universidade Federal da Bahia
  • Antônio Bomfim da Silva Ramos Junior Biólogo e Pesquisador da Grupo Geoquímica das Interfaces, Universidade Federal da Bahia
  • Flávio Souza Batista Pesquisador da Grupo Geoquímica das Interfaces, Universidade Federal da Bahia
  • Ana Carina Matos Silva Bióloga e Pesquisadora da Grupo Geoquímica das Interfaces, Universidade Federal da Bahia
  • Manoel Jerônimo Moreira Cruz Docente do Programa de Pós-Graduação em Geologia (UFBA), Líder do Grupo Geoquímica das Interfaces, Universidade Federal da Bahia
  • Alexandre Barreto Costa Docente do Programa de Pós-Graduação em Geofísica (UFBA), Pesquisador do Laboratório de Física Nuclear Aplicada (UFBA)

Abstract

Esta pesquisa teve como objetivo investigar a composição dos isótopos estáveis (δ2H e δ18O) e a qualidade das águas subterrâneas do município Serra do Ramalho, Bahia, Brasil. Foram coletadas amostras de água de 26 poços perfurados nas rochas pelito-carbonáticas do Grupo Bambuí e mensuradas in situ as variáveis físico-químicas (pH, CE, STD, ORP), por meio de sonda multiparâmetros, e efetuadas análises laboratoriais dos cátions (ICP-OES), ânions (HCO3-, Cl-, SO42-, N-NO2-, N-NO3-, F-) e isótopos estáveis (IRMS-MS). Os valores da razão isotópica destacaram o papel da recarga pelas chuvas locais, infiltração rápida e pouca evaporação. A análise de agrupamento indicou haver quatro grupos hidroquímicos, que diferiram quanto aos valores dos STD, Na+, Cl-, índices de saturação e das razões geoquímicas, variando a composição geoquímica das águas bicarbonatadas cálcicas ou mistas cálcicas para as bicarbonatadas ou cloretadas sódicas, em função da interação água-rocha, reações de troca de bases e intemperismo químico das fases minerais constituintes ou acessórias nas rochas pelito-carbonáticas, do clima e circulação da água no aquífero. Caberia o monitoramento dos teores do nitrato, fluoreto e metais-traço e a efetivação da vigilância ambiental em saúde, com a formação de profissionais que considerem a saúde em suas múltiplas relações com o meio ambiente.

 

Author Biographies

Manuel Portugal Gonçalves
Estudante de Pós-Graduação em Geologia da UFBA
Rodrigo Alves Santos, Pesquisador do Grupo Geoquímica das Interfaces, Universidade Federal da Bahia
  • Possui graduação em Geografia pela Universidade do Estado da Bahia - UNEB (2008), Mestrado e Doutorado em Geologia, com concentração em Geologia Ambiental, Hidrogeologia e Recursos Hídricos pela Universidade Federal da Bahia - UFBA (2011 e 2017). Possui experiência na área de Geociências e Meio Ambiente, com ênfase em Hidrogeoquímica, Qualidade das Águas e Impactos Socioambientais. Professor do curso de Especialização em Gestão de Ambientes Costeiros, Instituto de Geociências - UFBA, ministrando a disciplina Qualidade das Águas Costeiras e orientando Trabalho de Conclusão de Curso (TCC). Integra o Grupo de Pesquisa Geoquímica das Interfaces (UFBA), investigando as contaminações e impactos ambientais decorrentes de atividades antrópicas ou processos geogênicos. Atualmente desenvolve pesquisas sobre a temática da Hidrogeoquímica e Contaminação do Aquífero Cárstico-Fissural Salitre, Bacia Sedimentar de Irecê - Bahia, Brasil
Antônio Bomfim da Silva Ramos Junior, Biólogo e Pesquisador da Grupo Geoquímica das Interfaces, Universidade Federal da Bahia

Doutor em Geologia Ambiental, Hidrogeologia e Recursos Hídricos (UFBA). Mestre em Geoquimica do Petróleo e Meio Ambiente (UFBA). Possui graduação em Ciências Biológicas com ênfase em Meio Ambiente. Além de Formação Técnica em Meio Ambiente. Tem experiência na área de Geociências e Meio Ambiente com desenvolvimento de pesquisas relacionadas a; Ecologia e a geoquímica de estuários, a Gestão de Recursos Hídricos, Oceanografia, Hidrogeologia e a Qualidade de água. Desenvolve consultoria na área ambiental e integra o grupo de pesquisa Geoquímica das Interfaces (UFBA) investigando as contaminações ambientais do Antropoceno, e o grupo ECOSIMPA, desenvolvendo pesquisa nas Ciências Agrárias e Ambientais, com especialidade em tratamento e interpretação de dados relacionados a contaminação ambiental. Atualmente é Pesquisador (Pós Doutorando Junior - PDJ/ CNPQ) colaborador do Projeto Desenvolvimento do Índice de Qualidade das Florestas de manguezais na Baia de Todos Santos (BTS), Bahia, Chamada MCTIC/CNPq - Nº 21/2017 ? Pesquisa e Desenvolvimento em Ações Integradas e Sustentáveis nas Baías do Brasil (UFRB).

Flávio Souza Batista, Pesquisador da Grupo Geoquímica das Interfaces, Universidade Federal da Bahia

Possui graduação em licenciatura em geografia pela Universidade Católica do Salvador (2004), Vice diretor do Centro Educacional Yolanda Pires, Pós graduado em Gestão e Auditoria Ambiental e Mestre em Geologia-UFBA, é integrante do GRAU (Grupo de Riscos Ambientais Urbanos) - UFBA, do Grupo de pesquisa Geoquímica das Interfaces - UFBA e desenvolve projetos de cunho social. 

Ana Carina Matos Silva, Bióloga e Pesquisadora da Grupo Geoquímica das Interfaces, Universidade Federal da Bahia

Graduada em Ciências Biológicas (2012) e Mestre em Geoquímica com ênfase em Petróleo e Meio Ambiente (2014) pela Universidade Federal da Bahia, atuou como pesquisadora no Núcleo de Estudos Ambientais, no Laboratório de Fisiologia Animal Comparada e no Museu de História Natural da Universidade Federal da Bahia. Atualmente é doutoranda em Geologia na Universidade Federal da Bahia na área de concentração Geologia Ambiental Hidrogeologia e Recursos Hídricos com enfoque na linha de pesquisa voltada para Qualidade e gestão de recursos hídricos superficiais e subterrâneos e faz parte do Grupo de Pesquisa Geoquímica das Interfaces. Principais interesses em pesquisa são: geoquímica e geologia ambiental, remediação de áreas impactadas por petróleo, monitoramento e gestão ambiental e ecotoxicologia voltada pra análise de ecossistemas tropicais.

Manoel Jerônimo Moreira Cruz, Docente do Programa de Pós-Graduação em Geologia (UFBA), Líder do Grupo Geoquímica das Interfaces, Universidade Federal da Bahia

Possui graduação em Geologia pela Universidade Federal da Bahia (1976), Mestrado em Geologia pela Universidade Federal da Bahia (1983), Doutorado em Petroquímica pela Universite Pierre & Marie Curie, Paris VI (1989) e pós-doutorado na Universidade de Montpellier em petrogeoquímica. Atualmente é Professor Titular da Universidade Federal da Bahia, Professor Permanente do Pospetro UFBA.Tem experiência na área de Geociências, ênfase em mapeamento geológico básico, estudo de corpos básicos de natureza gabro-anortosítica e mineralizações associadas, atua também na área da química mineral, litogeoquímica, hidrogeoquímica. Atualmente se dedica à geoquímica das interfaces, geoquímica ambiental, no estudo da qualidade das águas, vulnerabilidade de aquíferos, recuperação de áreas degradadas e geoquímica médica.

Alexandre Barreto Costa, Docente do Programa de Pós-Graduação em Geofísica (UFBA), Pesquisador do Laboratório de Física Nuclear Aplicada (UFBA)

Bacharelado Em Física pela Universidade Federal da Bahia (1997), mestrado em Geofísica pela Universidade Federal da Bahia (2001) e doutorado em Geofísica pela Universidade Federal da Bahia (2006). Atualmente é professor Adjunto da Universidade Federal da Bahia. Tem experiência na área de Geociências, com ênfase em Geofísica Nuclear, atuando principalmente nos seguintes temas: espectrometria gama de sedimentos e rochas; radioatividade em águas subterrâneas; datação por carbono 14; datação por chumbo 210 através de espectrometria gama de alta resolução; isótopos estáveis aplicados em águas , matéria orgânica e corais; e análise elementar. Na área de geotermia, trabalha com na parte de determinação de calor radiogênico em rochas utilizando a técnica de espectrometria gama e com medidas propriedades térmicas de rochas

Published
07-07-2020
Section
Articles