ESTAÇÃO ECOLÓGICA MATA DOS AUSENTES (EEMA) E SEUS DESAFIOS: ANÁLISE DA VAZÃO E QUALIDADE DOS CORPOS D’ÁGUA NA REGIÃO DO SEU ENTORNO

  • Sandy Guedes Campos UFVJM-Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri-Campus JK/Diamantina-MG
  • Paulo Cesar Melquíades Santos UFVJM-Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri-Campus JK/Diamantina-MG
  • Luiz Augusto Ferreira Silva Superintendência de Regularização Ambiental Jequitinhonha Diamantina-MG-Brasil
  • Dilton Martins Pimentel UFVJM-Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri-Campus JK/Diamantina-MG
  • Igor Brumano Coelho Amaral UFVJM-Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri-Campus JK/Diamantina-MG
  • Arlete Barbosa Reis UFVJM-Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri-Campus JK/Diamantina-MG

Abstract

A água é um recurso natural fundamental  à vida, ao desenvolvimento econômico e ao bem  estar social, possuindo uma infinidade de usos, dos mais simples aos mais complexos. Entretanto,  vem se tornando aos poucos um recurso escasso que precisa ser cuidado com discernimento. A quantidade e a qualidade das águas doces no planeta sempre foram essenciais para manter os ciclos de vida, a biodiversidade dos organismos e a sobrevivência da espécie humana. É necessário conhecer a qualidade da água para determinar quais os possíveis usos podem ser atribuídos a ela. No âmbito desse contexto, o presente trabalho teve como objeto de estudo a avaliação da qualidade das águas que vertem para a reserva ambiental, preservada pelo Instituto Estadual de Florestas (IEF), intitulada Estação Ecológica Mata dos Ausentes (EEMA). O estudo foi realizado com base na coleta de amostras em período de seca e em período chuvoso. As amostras foram coletadas em cinco pontos em que foi efetuado o estudo da Vazão, assim como os parâmetros físico-químicos: Demanda Química de Oxigênio (DQO), Demanda Bioquímica de Oxigênio (DBO), pH, Dureza, Turbidez, Nitratos, Cloretos, Manganês e Ferro. Ao final das análises, fez-se uma comparação dos resultados obtidos com as vazões medidas nos pontos amostrais, donde  foi possível perceber que apesar de apresentaram uma vazão baixa, o que influencia negativamente na autodepuração dos rios, entretanto, foi perceptível concluir que,  os parâmetros analisados se encontram em sua maioria com valores dentro dos permitidos por lei.

Author Biography

Arlete Barbosa Reis, UFVJM-Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri-Campus JK/Diamantina-MG

Mestrado e Doutorado em Engenharia Química-UNICAMP

Especialização em Engenharia Ambiental - UNICAMP

Profa. do curso de Engenharia Química-UFVJM/Campus JK/Diamantina-MG

Published
24-03-2019
Section
Articles