GEOQUÍMICA E CONDIÇÕES PALEOAMBIENTAIS DE DEPOSIÇÃO DAS ROCHAS CARBONÁTICAS DA FORMAÇÃO SETE LAGOAS NA REGIÃO DA ÁREA DE PROTEÇÃO AMBIENTAL CARSTE DE LAGOA SANTA, MG

  • Luisa Costa Martins Vieira Universidade Federal de Minas Gerais
  • Tânia Mara Dussin Universidade Federal de Minas Gerais
  • Leila Nunes Menegasse Velásquez Universidade Federal de Minas Gerais

Abstract

Elementos maiores e traços das rochas carbonáticas neoproterozóicas da Formação Sete Lagoas aflorantes na região englobando a Área de Proteção ambiental do Carste Lagoa Santa, a norte de Belo Horizonte, foram analisados para obter informações sobre as condições paleoambientais de deposição. A base Formação Sete Lagoas é representada pelo Membro Pedro Leopoldo de composição pelito-carbonática, caracterizado por teores variados de Ca (14,6-39,4%) e Si (0,23-20,12%) e baixo conteúdo de Mg (0,05-1,98%) e Al (0,08-3,9%). Os teores de Th, U e Zr são elevados e os padrões de ETR+Y são caracterizados por leve enriquecimento de ETR pesados, anomalias positivas de La e negativas de Ce. O Membro Pedro Leopoldo é sobreposto pelas rochas carbonáticas mais puras e escuras do Lagoa Santa. Estes mármores mostram altas concentrações de Ca (38,6 a 40,5%) e mais baixos teores de Si (0,02-1%), de Mg (0,08-0,23%) e de Al (0,01-0,27%). São caracterizados por concentrações mais baixas de Th, U e Zr relativamente à sequência inferior, anomalias negativas de La e positivas de Ce e Y, e por ampla variação do fracionamento de ETR leves e pesados. As características petrográficas e geoquímicas sugerem que a sedimentação começou em ambiente marinho, sob águas profundas, anóxicas e com marcada contribuição terrígena. As características químicas do Membro Lagoa Santa indicam que neste período o ambiente de deposição mudou, evoluindo para mais proximal e óxico.
Published
30-08-2018
Section
Articles